175

Governo dos EUA autoriza tratamento experimental com células-tronco embrionárias para tentar reverter a doença de Stargardt

Por: Paloma Oliveto

O mal leva à perda de visão e afeta principalmente crianças e adolescentes

As células-tronco embrionárias são a esperança de cura para um mal responsável pela perda progressiva da visão ainda na infância, e para o qual não existe tratamento. Ontem, a agência de vigilância sanitária dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), autorizou um estudo clínico em pacientes que sofrem da chamada doença de Stargardt, uma das formas de cegueira juvenil mais frequentes do mundo. Nos EUA, estima-se que 25 mil pessoas, principalmente entre os 7 e os 20 anos, sofram com o problema. Dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia indicam que, no país, há cerca de 18 mil portadores da doença, na faixa etária dos 10 aos 14 anos.

Essa será a segunda vez que o governo americano autoriza a pesquisa com células-tronco embrionárias em humanos. Em outubro passado, a Geron Corporation iniciou os testes para o tratamento experimental em pessoas que sofrem de lesão na medula espinhal. Agora, a licença foi dada à Advanced Cell Technology (ACT), empresa de Massachusetts. Doze pacientes com mais de 18 anos vão participar do estudo, que testará a segurança e a tolerância das células-tronco embrionárias transplantadas em pacientes com doença de Stargardt avançada. Eles receberão um implante sub-retinal das estruturas.



O oftalmologista Mário Pacini, do Hospital Pacini, explica que a doença de Stargardt é uma anomalia genética, provocada pela alteração de um único gene. “Ela se manifesta de diversas formas e destrói as células do epitélio pigmentário da retina, que são a base metabólica da retina”, diz. As células do epitélio fazem a recepção da luz nos olhos e são imprescindíveis para a visão. “A doença atinge a pessoa cedo, na infância e na adolescência. Não há tratamento, pois não se consegue reverter essa perda”, afirma Pacini. O distúrbio ataca a visão central, usada para tarefas como ler e reconhecer faces. Alguns pacientes ficam totalmente cegos e perdem inclusive a visão periférica, enquanto outros conseguem enxergar, mas têm a acuidade visual seriamente comprometida e só conseguem perceber a luz ou alguns movimentos.

A expectativa dos cientistas da ACT é recuperar as células do epitélio pigmentário da retina a partir das células-tronco embrionárias, que podem se transformar em qualquer tipo de estrutura. Como algumas experiências com esse tipo de célula acarretaram na formação de tumores, os pesquisadores precisam, mesmo antes da eficácia, verificar se o transplante é seguro. Segundo Robert Lanza, diretor científico da empresa, nos estudos laboratoriais, a terapia foi bem-sucedida.

“Em modelos animais com doença de Stargardt, conseguimos 100% de melhoria na performance visual sem qualquer efeito adverso. Nossa pesquisa mostrou que as células-tronco foram capazes de recuperar os fotorreceptores em animais que, de outra maneira, ficariam cegos. Uma função visual quase normal foi alcançada em ratos com a doença”, disse ao Correio. “Esperamos ver benefícios similares em pacientes com diversos tipos de degeneração macular.” De acordo com Lanza, até conseguir a aprovação da FDA, foram sete anos de pesquisa. “Com ratos, tivemos um resultado fenomenal. Se conseguirmos, em humanos, apenas uma fração desse benefício, já será um bom começo”, acredita.

Vultos

Aos 34 anos, Dolores Affonso tem apenas 2,5% da visão de uma pessoa saudável. Ela conta que a doença se manifestou quando tinha 9 anos, mas o diagnóstico só veio aos 16. “Minha família era muito pobre, então não tínhamos o hábito de ir ao médico. Comecei a perder a visão e ter dificuldades no colégio, mas achava que era miopia, porque na minha casa todo mundo usava óculos”, conta. “Quando fiz 16 anos, eu me consultei e tive o diagnóstico. Somos seis irmãos, sendo que três de nós temos Stargardt”, relata. A mãe de Dolores também sofre do mal, identificado já na idade adulta.

Dolores conta que, na adolescência, os exames acusaram que ela estava no nível de acuidade visual 10 por 200, o que significa que ela tinha 5% da visão de um olho normal. A doença evoluiu, mas de forma lenta, e se estabilizou depois dos 30 anos. Hoje, ela diz que enxerga vultos e consegue identificar cores de longe. Já a mãe dela, aos 58 anos, enxerga melhor e é capaz de ler números e placas. “Mesmo assim, vivo minha vida normalmente”, faz questão de destacar Dolores, que é dona de uma empresa de consultoria no Rio de Janeiro.

Para ela, a grande esperança para os portadores do mal são as terapias com células-tronco. “Acho que é o futuro mais promissor. A Universidade de São Paulo tem um trabalho com células-tronco adultas para retinose pigmentar e está obtendo bons resultados. Então, para Stargardt, também poderá ter efeitos”, diz. O oftalmologista Pacini também acredita no potencial das terapias com células-tronco para tratar de problemas relacionados à visão. “Cada vez mais a ciência está evoluindo nesse sentido”, lembra.

“Iniciar um estudo clínico para o tratamento da degeneração macular representa um marco significativo no progresso do desenvolvimento de terapias baseadas em células-tronco embrionárias”, disse o presidente da ACT, William M. Caldwell, em uma nota distribuída à imprensa. “Acredito que gerações vão olhar para trás e ver esse momento como um dos mais excitantes da história da medicina. Com o começo desse teste, e também com o que a Geron iniciou em outubro, o campo da medicina regenerativa mostra-se preparado para mostrar o verdadeiro potencial das células-tronco embrionárias, o que fará uma diferença significativa na vida de milhões de pessoas em todo o mundo.”


Passo crítico

“O teste clínico da Advanced Cell Technology é um passo crítico para o desenvolvimento de terapias à base de células-tronco para doenças da retina. Essas células oferecem um potencial enorme para salvar e restituir a visão, e estamos muito contentes em saber que essa pesquisa terá como foco a doença de Stargardt, uma condição que rouba a visão de crianças e jovens adultos, e para a qual ainda não há tratamento ou cura. Em longo prazo, as células-tronco vão oferecer um significativo potencial para devolver a visão às pessoas com as mais avançadas doenças da retina.”

Stephen Rose, oftalmologista da ONG Foundation Fighting

Blindness, que financia pesquisas de células-tronco para o tratamento de doenças visuais

FONTE: Correio Braziliense

France Presse – Correio Braziliense

Publicação: 22/11/2010 09:49

Washington – Os Estados Unidos autorizaram pela segunda vez nesta segunda-feira (22/11) a realização de um teste clínico com derivados de células-tronco embrionárias humanas, com o objetivo de tratar uma doença infantil da vista hereditária e irreversível.

A autorização concedida à empresa Advanced Cell Technology, de Massachusetts, permitirá dar início a um teste clínico com 12 pacientes de pelo menos 18 anos que sofrem do Mal de Stargardt, uma afecção ocular vinculada a uma degeneração da parte central da retina.

A agência sanitária americana, Food and Drug Administration (FDA), autorizou pela primeira vez, em janeiro de 2009, à empresa de biotecnologia Geron Corporation a realizar um teste clínico com um tratamento experimental baseado em células-tronco embrionárias humanas em pessoas que sofrem de paralisia – decorrente de lesão na medula espinhal. O teste clínico começou em outubro passado.

O Mal de Stargardt, atribuído em grande parte à alteração de um único gene, afeta cerca de 25 mil pessoas nos Estados Unidos, principalmente entre os sete e 20 anos, e é uma das formas de cegueira juvenil mais frequente no mundo.

“Atualmente, não existe qualquer tratamento contra o Mal de Stargardt”, contou o dr. Robert Lanza, chefe científico da empresa. “Com as células-tronco embrionárias, podemos gerar virtualmente uma quantidade ilimitada de células do epitélio pigmentário da retina, as primeiras que morrem com o Mal de Stargardt e outras formas de degeneração macular”, acrescentou.

Cegueira

A degeneração macular entre os idosos é uma das principais causas de cegueira, com mais de 30 milhões de casos no mundo. As células do epitélio – que fazem a recepção da luz no olho e são fundamentais para a visão – derivadas de células embrionárias humanas, permitiram uma restauração completa da vista em ratos sem efeitos secundários, informou a empresa.

“Não observamos nenhum tumor cancerígeno ou outro efeito perverso”, declarou Lanza. “O começo deste teste clínico marca uma etapa importante para desenvolver terapias derivadas de células-tronco embrionárias destinadas a vastos mercados”, enfatizou William Caldwell, presidente da ACT.

“As terapias resultantes desses testes abrem caminho para verdadeiros tratamentos que mudarão a vida de milhões de pessoas e vão revolucionar a comunidade médica”, disse Caldwell, estimando um mercado potencial de 25 a 30 bilhões de dólares.

As células-tronco embrionárias são as únicas que têm capacidade de se multiplicar de forma ilimitada e de se transformar em qualquer célula do corpo, com um enorme potencial de tratar muitas doenças ainda sem cura, como o Mal de Parkinson.

O maior desafio é conseguir que as células “se diferenciem” para que se convertam nas desejadas pelos pesquisadores sem o perigo de se transformarem em células indesejadas, como os tumores cancerígenos.

Mas a pesquisa e o uso das células são um tema controvertido por serem tiradas do embrião humano na primeira fase de seu desenvolvimento, o que conduz a sua destruição. Grupos religiosos e alguns legisladores se opõem ao uso.

O presidente americano Barack Obama levantou em 2009 as restrições para o uso de fundos públicos para trabalhos com estas células.

Em agosto passado, uma ação judicial resultou no congelamento dos fundos federais destinados à pesquisa sobre células-tronco. Mas em outubro uma suspensão desta decisão permitiu seguir com os trabalhos até que se emita uma decisão em uma corte de apelações.
ln

3º Prêmio Musique do Estadão

Olá Amigos,

O Renato está participando de um concurso de música no qual ele criou uma música para uma letra do Dinho Ouro Preto. O Prêmio Musique já está na 3º edição! E bem interessante e uma porta de entrada para artistas/compositores iniciantes.

Peço a todos vocês muita força e torcida! Votem nele!

Entrem no link e votem. Nem precisa de cadastro.

Valeu pela força pessoal!

Vote em mim!

http://musique.estadao.com.br/perfil,2845,1,renato-pacheco-araujo-renato-araujo

mil beijos